Padrão da Raça / Breed Standard

Classificação CBKC:

Grupo 11- Raça não reconhecida pela FCI.
Padrão CBKC NR 08
País de origem: Brasil
Nome no país de origem: Buldogue Campeiro
Utilização: Eram usados para capturar o gado selvagem, participando de tropeadas, sempre capturando o boi fujão. Participavam nos matadouros, sempre segurando o boi bravo quando necessário. São cães de grande versatilidade, possuindo características de guardião e de combatente bastante equilibradas. São cães selecionados na lida, guardando a casa do tropeiro como também a carreta e o seu cavalo, onde jamais alguém chegava se houvesse um Buldogue deitado observando. Além disso, ainda servem de pastor e para derrubar um boi desgarrado. Conviviam em matilhas, respeitando a vontade de seus donos, que era de que não brigassem entre si.
Impresso em: 30 de setembro de 2010.

BULDOGUE CAMPEIRO

RESUMO HISTÓRICO: o Buldogue Campeiro tem sua origem nos Bulldogs que vieram para o Brasil trazidos pelos imigrantes europeus desde o século XVIII. Devido à criação de gado ser sempre forte na região sul, os Buldogues eram bastante usados para capturar o gado selvagem que se criava em meio a um ambiente hostil de campo e mata nativa. Participou de grandes tropeadas sempre capturando o boi fujão. Nos matadouros tinha participação ativa, solicitados para segurar um boi bravo sempre que fosse necessário. Os Buldogues para o trabalho tiveram uma seleção quase natural, uma vez que os que eram muito baixos, levavam desvantagem em percorrer longas distâncias e em não poder tracionar segurando o boi. E os que através de cruzamentos com outra raça ficavam muito altos perdiam o instinto de pegador, a precisão de movimentos, além de ficarem vulneráveis às investidas dos bois com seus coices e chifradas. O que era considerado um bom cão? O corpo deveria ser forte. A cabeça larga com fortes maxilares; o focinho largo e forte, não curto como o do atual Bulldog, nem tão comprido como o do Bullmastiff, para que pudesse morder e segurar um boi independentemente do peso. Cão de temperamento vigilante e tranqüilo, com acentuado espírito de luta e companheirismo. Este temperamento teria que ser tão obstinado que não conhecesse limites e tão controlado que sempre obedecesse aos comandos do tropeiro. Assim, “selecionado na lida” nasceu o BULDOGUE CAMPEIRO.

APARÊNCIA GERAL: cão de constituição potente e larga, indicando força e agilidade. Formato corporal quase quadrado. Membros vigorosos, musculosos, com ossos fortes. Cabeça volumosa e peito amplo. Aspecto imponente. Visto de cima, deve ser largo nos ombros e comparativamente estreito no lombo.


 

PROPORÇÕES IMPORTANTES: a altura na cernelha deve ser, preferencialmente, igual ao comprimento medido da cernelha até a inserção da cauda.

COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO: versátil, com características de guardião. Destaca-se pela fidelidade ao dono, tenacidade e coragem. Seu temperamento é vigilante e tranqüilo, perseverante, com acentuado espírito de luta e companheirismo. Muito dócil com crianças; é um cão de fácil adaptação. Controlável, não tímido, late pouco, é tranqüilo.


 
CABEÇA: volumosa com boas bochechas; larga com fortes maxilares e com pele solta sem excesso de rugas. A medida da circunferência da cabeça fica, no mínimo, na mesma proporção da altura e do comprimento para as fêmeas e obrigatoriamente maior nos machos.

REGIÃO CRANIANA

  • Crânio: bastante largo, alto e levemente arredondado, com forte musculatura. Visto de frente, forma uma linha reta entre as orelhas, quando em atenção.
  • Stop: bem definido.

REGIÃO FACIAL

  • Focinho: curto, com no máximo 1/3 e no mínimo 1/5 do comprimento do crânio. Largo embaixo dos olhos; grosso com as linhas laterais paralelas até a ponta da trufa; o mais quadrado possível quando visto de cima.
  • Trufa: bem formada, de bom tamanho e bem pigmentada.
  • Orelhas: pequenas, pendentes, triangulares; também são aceitas as viradas para trás (em rosa), de inserção alta, o mais separadas possível entre si. Quando dobradas levemente no sentido dos olhos, o comprimento não pode ultrapassar o canto interno do globo ocular.
  • Olhos: ovalados, de tamanho médio, não podendo ser profundos, nem saltados. Preferencialmente com as pálpebras bem pigmentadas. A coloração dos olhos, o mais escuro possível, indo do castanho ao marrom escuro, nos exemplares com a trufa escura. Nos exemplares de trufa ruiva, são aceitas as tonalidades mais claras, castanho claro (cor de mel). Deve-se evitar olhos caídos com aspecto de “chorão”.
  • Lábios: grossos e pendentes sem demasia, não devendo ultrapassar a linha inferior do maxilar em mais de 50% da altura do focinho em toda a sua extensão. A rima labial deve ser o mais pigmentada possível.
  • Mordedura: prognatismo inferior, sendo que este não deve exceder 3 cm.
  • Maxilares: largos, maciços e quadrados. O inferior deve avançar além do superior e elevar-se no extremo da mandíbula.
  • Dentes: fortes com os caninos bem desenvolvidos para agarrar e bem distanciados entre si. Dá-se preferência aos incisivos bem alinhados aos caninos. Dentes inferiores aparentes são aceitáveis. A dentição deve ser a mais completa possível. Tolera-se caninos aparentes, dentes a mais e falta dos P1.
  • Mordedura: prognatismo inferior, sendo que este não deve exceder 3 cm.

PESCOÇO: forte, de comprimento moderado, muito musculoso e de circunferência aproximada a do crânio, com pele frouxa que forma barbela a qual não deve ser excessiva.

TRONCO

  • Dorso: moderadamente curto, reto, com linha ascendente levemente inclinada até a garupa.
  • Peito: de amplitude notável, quase redondo, sendo que a profundidade deve alcançar a altura dos cotovelos.
  • Costelas: bem arqueadas. Ventre: ligeiramente esgalgado. Garupa: levemente arredondada.


CAUDA: inserida baixa, grossa na raiz, de comprimento moderado e de linha inconstante; quebrada naturalmente. Dá-se preferência a cauda que não exceda em comprimento, em dois terços, a distância da inserção da cauda à ponta do jarrete.

MEMBROS
ANTERIORES: vigorosos e musculosos, com ossos fortes.

  • Ombros: largos, musculosos e oblíquos. Em relação à horizontal deve ter 45°
  • enquanto que a angulação escápulo-umeral deve ter menos de 90°.
  • Cotovelos: ligeiramente afastados das costelas, são corretamente direcionados para a frente, em uma linha vertical medida dos cotovelos até o solo, proporcionalmente a altura.
  • Antebraços: bem desenvolvidos e com ossos fortes e retos.
  • Metacarpos: moderadamente angulados.
  • Patas: são ligeiramente voltadas para fora com dedos levemente separados e um pouco arqueado.

POSTERIORES: vigorosos, musculosos, com ossos fortes. Coxas: bem desenvolvidas, que indicam vigor e atividade. Jarretes: levemente angulados, paralelos.

  • Patas: são ligeiramente voltadas para fora com dedos levemente separados e arqueados; com almofadas plantares grossas e elásticas.


MOVIMENTAÇÃO: com caminhar balanceado, mantém a cabeça na linha do dorso e a cauda baixa. Seu movimento é típico; o balanço do corpo deve ser perceptível na garupa e nas costelas, enquanto caminha, mantém a traseira nivelada mas não firme. Seu galope é rápido, com grande propulsão.

PELAGEM

  • Pelo: curto, liso, de textura média, não sendo nem macio e nem áspero ao toque.

COR: todas as cores são aceitas.

TAMANHO

  • Ideal : machos: 53 cm, fêmeas: 51 cm

PESO

  • machos: de 35 kg a 45 kg aproximadamente
  • fêmeas: de 30 kg a 40 kg aproximadamente.

A tolerância na altura é de 48cm a 58cm. Devem ser respeitadas as proporções de peso e altura que confiram aspecto vigoroso ao exemplar.

FALTAS: Qualquer desvio dos termos deste padrão deve ser considerado como falta e penalizado na exata proporção de sua gravidade e seus efeitos na saúde e bem estar do cão.

FALTAS LEVES

  • caninos aparentes;
  • dentes a mais;
  • falta dos P1;
  • orelhas de inserção muito alta;
  • orelhas muito curtas, estreitas, muito largas ou compridas;
  • pelagem atípica;
  • pescoço muito curto;
  • angulação dos anteriores e posteriores excessiva;
  • ponta da cauda ultrapassando a altura do jarrete;
  • pescoço sem barbelas ou com barbelas em demasia;
  • olhos azuis.

FALTAS GRAVES

  • olhos redondos ou muito grandes; olhos saltados ou de duas cores;
  • prognatismo superior a 3 cm;
  • dorso selado, carpeado ou descendente;
  • peito fraco, estreito, pouco profundo;
  • angulação dos anteriores e posteriores insuficiente;
  • jarretes de vaca;

FALTAS DESCLASSIFICANTES

  • ausência de prognatismo inferior;
  • torção de mandíbula;
  • ausência de caninos; incisivos a menos ou ausência de mais de 2 molares;
  • trufa com mais de 1/4 despigmentada;
  • ausência de angulação nos anteriores e nos posteriores;
  • anteriores muito compridos ou muito curtos, em “X” ou arqueados;
  • movimentação muito pesada, difícil, com passos curtos ou passo de camelo contínuo;
  • agressividade ou timidez excessiva.

NOTA:

  • os machos devem apresentar os dois testículos, de aparência normal, bem descidos
  • acomodados na bolsa escrotal.
  • todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento deve ser desqualificado.


Official Standard (Previous Version)


BRAZILIAN CANINE ORGANIZATION (CBKC)
Official Standard of the Breed CAMPEIRO BULLDOG
Classification on CBKC: Group 11 - Breeds not recognized by FCI

Standard CBKC NR 8
Country of Origin: Brazil
Original Name: Campeiro Bulldog
Utilization: Shepherd and guard
Working Evaluation: Not regulated
Sergio Meira Lopes de Castro - President of CBKC
Paulo José Ramos de Azevedo - President of Canine Council
Colaborator: Ralf Schein Bender.

BRIEF HISTORY OF CAMPEIRO BULLDOG

Campeiro Bulldog has its origin on Bulldogs brought to Brazil by European Immigrants since the 16th Century. As cattle raising have for long been very active in the southern Brazil, bulldogs were frequently used to capture "wild" cattle extensively raised in the hostile field environment nearby native forests. These dogs participated in long journeys to capture lost cattle but were mainly maintained in slaughterhouses where they were especially useful for holding furious bulls whenever necessary. Working Bulldogs had an almost natural selection, as those very low-sized animals had disadvantages when traveling long distances and when immobilizing bulls by pulling and holding them. On the other hand, those excessively tall bulldogs resulting from crossing with other breeds used to loose catching instinct and precision of movements becoming especially vulnerable to horn and backward kick. How should be the desirable dog? Body should be strong with a very wide head and powerful jaw. Snout should be wide and strong but not so short as in Modern English Bulldog nor so long as in Bullmastiff in order to enable it to bite and hold bulls independently of its weight. The dog should have calm and watching temperament with an accentuated warrior spirit and loyalty. This temperament should be so obstinate to overcome limits and so controlled that always maintain obedience to commands from the shepherd. Thus, CAMPEIRO BULLDOG was born "naturally selected in the drudgery".

GENERAL APPEARANCE: Dog with a powerful and strong physical constitution indicating strength and agility.

UTILIZATION: they were used to capture "wild" cattle during long journeys and/or holding them when necessary in slaughterhouses. They are very versatile dogs having aptness to guard and combat very well balanced. They are dogs selected in the field controlling bulls and protecting the propriety of the farmer against any intruder. Furthermore, they act as shepherd dogs as well as bull controllers throwing and holding any escaping cattle. They use to live together in packs of hounds respecting the wish of their owners.

TEMPERAMENT: This extremely courageous dog is very loyal to the owner and docile with the rest of the family. Very versatile and well adapted dog, is calm (do not bark a lot), reserved with strangers and jealous with the master. It is companion, vigilant and confident with a well developed warrior spirit. They love children and accept integrally commands being submissive and loyal to its master.

HEAD: large and broad with strong jaw. Skull: very broad and high. Muzzle: broad and short with approximately 1/3 of the skull length. Not as short as in Modern English Bulldog nor as long as in Bullmastiff. Ears: small to medium, rose or button ears set high and wide.

EYES: almond-shaped to round as darker as possible.

LIPS: the chops or "flews" should be semi-pendulous with well-rounded cheeks.

JAWS AND BITE: the lower jaw turned up and protruding (it should project considerably in front of the upper jaw). Very strong bite.

NECK: very strong (muscular) and of moderated size.

FOREQUARTERS: Shoulders: very broad, muscular and slightly sloping. The forelegs should be stout, well boned and straight. Font feet may be straight or slightly out-turned.

HINDQUARTERS: broad and muscular with well developed second thigh denoting strength and power. Hocks should be slightly bent (rear legs neither pigeon-toed or cow hocked).

BODY: back moderately short with a light rise from the shoulders to the rump. Chest: wide and deep with well rounded rips.

TAIL: normally Campeiro Bulldog already born with a shorter (not reaching beyond the hocks) and crooked tail. In cases of long straight tails docked is recommended.

COAT: smooth flat and medium texture. Short coat. All colors are allowed. Dominance of fawn (all variations) and brindle (red, gray or black), as solid or with white. Completely white dogs have been occasionaly born (although not desirable for an outside working dog exposed to intense sun rays). Full black dog have not been recorded.

SIZE: ideal height at the top of the shoulders (withers) between 48 and 58 cm (18.9 and 22.8 inches) and ideal weight for males and females between 35 and 45 kg (77,2 and 99,2 lb).

FAULTS: any deviation on the terms of this standard should be considered as fault and penalized according to its gravity.

OBSERVATIONS: Campeiro Bulldog is an extremely rustic dog, free from health problems commonly present in Modern English Bulldog as they are breeds skilled for distinct functions. While Modern English Bulldog is a company dog ideal for apartments and with a marvelous appearance, Campeiro Bulldog is a dog ideal for work and guard.

NOTE: male dogs should have two apparently normal testicles fully descended into the scrotum.

Compartilhe este Artigo!